Cidades inteligentes estão se transformando rapidamente em cidades do metaverso

Visão 2030 de Seul mostra aplicações e estratégias da vida real para o Metaverso.


Se você acompanha as notícias sobre o Metaverso, pode pensar que é uma plataforma de jogos para crianças ou um lugar onde o Facebook planeja causar novos estragos na sociedade.

Mas há sinais de que o Metaverse finalmente evoluirá além dos jogos e shows globais em 3D.

O Metaverso tem muito mais potencial do que apenas ser uma plataforma para diversão e jogos. Feito corretamente, expandirá a maneira como vivemos nossas vidas diárias e como nossas cidades funcionam.

Em novembro de 2021, Seul anunciou que gastará US$ 3,3 bilhões (3,9 bilhões de won) até 2030 para se tornar uma cidade Metaverso.

Em Seul de 2030, você poderá visitar escritórios do governo do seu sofá para solicitar novos documentos ou autorizações de viagem. Funcionários da cidade virtual responderão às suas solicitações. A IA gerenciará de forma inteligente serviços públicos, como reciclagem de energia e águas residuais.


Cidades de Aprendizagem

Cidades inteligentes são cidades de aprendizagem. Eles trabalham com sensores da Internet das Coisas (IoT), câmeras de vídeo, mídias sociais e outras fontes de informação para coletar informações sobre as necessidades de seus cidadãos.

Essas informações são o feedback contínuo que os governos municipais precisam para tomar decisões mais informadas sobre quais serviços oferecer ou melhorar.

As cidades inteligentes do futuro fornecerão serviços interativos ainda mais inteligentes. Eles usarão cada vez mais ferramentas digitais para coletar dados essenciais e adaptar sistemas e serviços às necessidades reais.

Dados ambientais como qualidade do ar, consumo e fornecimento de energia, vagas de estacionamento disponíveis, tráfego de pedestres e bicicletas, veículos nas estradas e acidentes fornecem informações sobre o uso e revelam mudanças nos requisitos.

Usadas adequadamente, essas informações melhoram os níveis de serviço e melhoram a qualidade de vida de todos. O tráfego pode ser redirecionado em um piscar de olhos. As decisões sobre onde investir os orçamentos de infraestrutura podem ser tomadas com base nas necessidades reais e em dados atualizados.


No momento, o impacto real dessas tecnologias nas cidades é limitado. Mas as cidades inteligentes ficarão ainda mais inteligentes incorporando mais fontes de dados e criando gêmeos digitais para simular o impacto da mudança.

Dados sobre atividades cotidianas podem ser inseridos nos modelos. Agendamentos disponíveis para cidadãos, vagas de estacionamento abertas, vagas de jardim de infância, desempenho do distrito escolar, ocupação de leitos hospitalares, coleta de lixo, etc.

As possibilidades são infinitas e quanto mais dados forem incluídos, melhor a cidade poderá se adaptar às necessidades de seus moradores.


Gêmeos Digitais - Digital Twins

O gêmeo digital é uma imagem virtual de prédios, ruas, bairros inteiros da cidade e seu ambiente. Uma infinidade de dados de uma ampla variedade de fontes torna um gêmeo virtual uma ferramenta de planejamento valiosa que pode fornecer informações e previsões atualizadas.

No momento, gêmeos digitais de cidades são apenas representações virtuais de uma cidade usada para simular o impacto de um subconjunto de mudanças e eventos.

No Metaverso, eles também podem ser usados para construir representações digitais 1:1 para permitir uma experiência 3D realista de se mover pela sua cidade.


Cidadãos Inteligentes

Construir cidades inteligentes não termina com a implementação de novas tecnologias. Os cidadãos precisam saber como usar as tecnologias e se sentir à vontade com elas.

Tallinn, o modelo para cidades inteligentes em todo o mundo, mostra que as cidades inteligentes precisam de cidadãos e funcionários do governo com experiência em tecnologia.

A Estônia fez esforços extraordinários para garantir que todos estejam prontos para a era digital. Eles introduziram 7 anos de aulas de TI na escola e estão treinando seus funcionários do governo em TI e “Design Thinking”!

“Os estonianos têm uma relação muito diferente com a tecnologia. São nativos digitais. Então, pudemos ver como quando o município ou a administração lançaram novos serviços digitais, pudemos ver a rapidez com que isso foi apropriado pela população”


Visão de Seul 2030

De volta ao ambicioso plano de Seul de se tornar uma cidade do Metaverso. O prefeito Oh Se-hoon revelou sua visão de Seul como uma “cidade emocional do futuro” como parte da “Seoul Vision 2030”.

Essa visão, é clara, inclui aspectos da tecnologia de cidades inteligentes, como inteligência artificial para monitorar esgotos e estações de tratamento de água.

Também leva Seul um passo adiante no Metaverso, fornecendo serviços virtuais para cidadãos e empresas.

Os planos incluem aplicativos divertidos, como um “sino virtual de véspera de Ano Novo tocando no Bosingak Belfry”, bem como conveniências cotidianas, como um “escritório virtual do prefeito” e serviços virtuais do Seoul Fintech Lab, Invest Seoul e Seoul Campus Town.

Em 2023, será estabelecido um escritório virtual para serviços públicos em geral, provisoriamente denominado “Metaverse 120 Center”. Lá, os cidadãos equipados com fones de ouvido VR se reunirão com oficiais de avatar para lidar com reclamações e consultas dos cidadãos.

O já popular chatbot de IA “Seoul Talk”, baseado no Kakao Talk, será expandido para um concierge público. Kakao Talk é o aplicativo de mensagens móveis mais popular na Coréia. Atualmente, é responsável por responder a perguntas e reclamações do público, desde violações de estacionamento até protocolos COVID-19.

No futuro, ainda mais informações sobre os serviços disponíveis na cidade estarão disponíveis através do Seoul Talk. Haverá guias de acesso a bibliotecas públicas ou cursos livres nos centros municipais. O objetivo é estender os serviços a todos os aspectos da vida cotidiana dos moradores de Seul.


Pensamentos finais

Os primeiros usuários do Metaverso foram plataformas de jogos e artistas que reconheceram imediatamente o potencial econômico da ideia.

Mas o Metaverso não é apenas para ganhar dinheiro. Não devemos permitir que as empresas usem esse espaço como outra maneira de ganhar dinheiro rápido.

Como na década de 1990, estamos à beira de criar um novo mundo. Não vamos cometer os mesmos erros novamente. Se os governos perderem o barco nessa tecnologia novamente, corremos o risco de acabar em um Metaverso cheio de gatos 3D e pornografia.

Países com experiência em tecnologia como a Coréia entendem isso. Eles estão desenvolvendo tecnologias de metaverso que beneficiam seus cidadãos.

Dados estão sendo coletados constantemente sobre nossos movimentos, consumo e comportamento. Tanto por nossos governos quanto por empresas privadas. O Metaverso nos permite colocar os dados em bom uso, finalmente.

A sobreposição entre os mundos virtual e real simplificará nossas interações com o governo e economizará tempo e dinheiro. Gêmeos simulados de nossas cidades calcularão rapidamente o impacto das mudanças e criarão um ambiente mais limpo e menos estressante.


Fonte: Ronke Babajide


8 visualizações0 comentário

© 2022 by ​Evelyn

Evelyn Digital
  • TikTok
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Amazon
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram

contato@evelyn.digital

tel. 16-99975-1705