MENU

Ducati apresenta: Panigale V4 R: mais de 240 cv em configuração de pista, limitador a 16.500 rpm



• A nova Panigale V4 R adota soluções técnicas anteriormente reservadas para MotoGP e Superbike, como bielas e pistões de titânio "perfurados" com tratamento de superfície DLC


• A nova Desmosedici Stradale R na configuração de pista fornece 240,5 cv a 15.500 rpm e continua com o limitador (em sexta marcha) a 16.500 rpm: números extraordinários para uma motocicleta de produção em série


• Juntamente com o motor, foi desenvolvido um óleo de desempenho, derivado das formulações utilizadas nas corridas, que contribui para atingir o pico de 240,5 cv de potência máxima


Borgo Panigale (Bolonha, Itália), outubro de 2022 - No quarto episódio da websérie Ducati World Première, a fabricante de Bolonha apresentou a nova Panigale V4 R. Com esta moto, a Ducati confirma mais uma vez a sua vocação: oferecer aos seus entusiastas as soluções tecnológicas mais sofisticadas e refinadas, que aproximam ainda mais a moto superesportiva de estrada das motos de corrida utilizadas no Campeonato Mundial de SBK.


A nova Ducati Panigale V4 R é reconhecível à primeira vista graças à presença de asas de carbono e pintura inspirada no MotoGP, que integra as placas brancas com o número "1" em evidência. Pela primeira vez, a moto será produzida em uma série numerada com o número progressivo e o nome do modelo mostrados na direção de alumínio billet.


O coração da Panigale V4 R é o novo Desmosedici Stradale R de 998 cc, um motor capaz de atingir uma rotação máxima de 16.500 rpm na sexta marcha (16.000 nas outras relações) e entregar uma potência máxima de 218 cv a 15.500 rpm (em conformidade com a norma Euro-5*), valores de referência absolutos no panorama das motos superesportivas da mesma cilindrada. A nova Desmosedici Stradale R, apesar de todas as melhorias, apresenta um desempenho ligeiramente reduzido em relação à versão anterior devido à limitação gerada pelo sistema de escape em conformidade com a rigorosa homologação Euro-5. Todo o potencial deste motor, no entanto, é expresso na pista ao encaixar o escapamento de corrida, que permite atingir 237 cv, 3 cv a mais que o antecessor.

O desenvolvimento do motor da nova Panigale V4 R também envolveu a criação de um óleo especial desenvolvido pela Shell em colaboração com a Ducati Corse. O novo óleo de desempenho garante uma redução de 10% no atrito mecânico e leva a um aumento na potência máxima de mais 3,5 cv, que sobe para +4,5 cv no limitador.

A formulação deste óleo baseia-se na utilização de aditivos de corrida, específicos para motores de alta rotação equipados com embraiagem a seco. É a embreagem seca, como nos motores do MotoGP e SBK, que permite o uso de aditivos, o que tornaria problemática a transmissão de torque na embreagem em banho de óleo. Esses elementos químicos são adicionados ao óleo base em quantidades e porcentagens específicas para garantir o equilíbrio certo entre desempenho e proteção do motor.


Com a combinação de escapamento de corrida e óleo dedicado, a potência máxima da Panigale V4 R pode atingir extraordinários 240,5 hp.

Esses números são possíveis graças à adoção de soluções técnicas sofisticadas derivadas do mundo da competição de corrida.

Pela primeira vez numa motocicleta de estrada, são usadas bielas de titânio “perfuradas com pistola”, que são perfuradas longitudinalmente ao longo da haste (orifício de 1,6 mm de diâmetro). Esta solução, que permite a passagem do óleo do cabeçote para a extremidade menor, melhora a lubrificação e a confiabilidade em condições extremas.

Os pistões da Desmosedici Stradale R têm uma saia caracterizada pelo tratamento de superfície DLC (Diamond Like Carbon), uma solução utilizada na competição de MotoGP e Fórmula 1, que reduz o atrito entre o pistão e o revestimento e que é aplicada pela primeira vez em uma estrada motor. Os pistões também têm uma nova geometria que os torna 5 gramas mais leves (igual a 2% do seu peso), reduzindo assim as forças de inércia, em benefício da confiabilidade.

As outras mudanças envolvem um perfil mais agressivo dos cames de admissão, caracterizados nesta versão por uma elevação maior (1 mm) e combinados com novos chifres de comprimento variável, reduzidos em 5 mm na configuração curta. Esta modificação melhora a respiração em altas rotações e assim aumenta a potência máxima na configuração com escape de corrida.

Novamente com o objetivo de melhorar o desempenho no circuito, a Panigale V4 R adota as mesmas relações de transmissão usadas pelas motos que competem no Campeonato Mundial de SBK, como já era o caso da Panigale V4 S 2022, com o alongamento da primeira (+ 11,6 %), segunda (+ 5,6%) e sexta marcha (+ 1,8%) em relação ao modelo anterior. A primeira marcha, portanto, torna-se mais útil em circuitos, oferecendo os benefícios de maior gerenciamento do motor ao frear e melhor aceleração ao sair das curvas. Além disso, o menor salto entre a primeira e a segunda marcha permite que o Ducati Quick Shift – objeto de uma importante evolução da estratégia que melhora a fluidez a cada grau de abertura do acelerador – funcione de forma mais eficaz, aumentando a eficácia do novo padrão de corrida.

A Desmosedici Stradale R em sua versão 2023 também está equipada com uma nova embreagem seca derivada do desenvolvimento da versão usada nas SBK pela equipe oficial da Ducati. O diâmetro e o comprimento axial foram reduzidos (-24 mm) e, acima de tudo, o peso caiu cerca de 800 gramas.

A maior eficácia da nova Panigale V4 R no uso em circuito também é obtida graças à adoção de todas as evoluções eletrônicas já introduzidas na Panigale V4 '22 e '23, com a expansão e evolução dos Power Modes, novo “Track Evo ” no painel, mapas do motor com calibração dedicada a cada marcha, aprimoramentos no Ducati Traction Control e no sistema Ride By Wire, mas também a adoção da estratégia Engine Brake Control EVO 2, a nova estratégia para o DQS e o atualização do controle do ventilador de refrigeração.

Para tornar a Panigale V4 R ainda mais rápida e utilizável em corridas, foi adotada a lógica Power Mode já implementada com sucesso na Panigale V4 e V4 S, naturalmente com calibrações dedicadas ao motor Desmosedici Stradale R.

Existem quatro estratégias de mecanismo: Completo, Alto, Médio, Baixo. Full e Low foram projetados recentemente, enquanto as configurações High e Medium foram revisadas.

O modo Full Power permite que o motor expresse todo o seu potencial com curvas de torque sem filtros eletrônicos, exceto na primeira marcha. Para os modos de potência média e alta, um novo sistema de gerenciamento de mapas Ride by Wire foi desenvolvido com calibração dedicada para cada uma das seis marchas, o que garante que o piloto sempre obtenha uma condução ideal toda vez que o acelerador é aberto. O Low Power Mode, por outro lado, foi projetado para andar na estrada ou em superfícies de baixa aderência, limitando a potência máxima da moto a 160 hp e oferecendo uma resposta do acelerador particularmente gerenciável.

Os parâmetros de operação da motocicleta podem ser visualizados de forma ainda mais eficaz graças aos novos gráficos do painel, que diferem em uma distribuição revisada das funções das luzes de aviso fora da tela. A mudança mais importante na Panigale V4 R, já introduzida na V4 S, diz respeito à interface, que evolui através da inclusão de um novo Info Mode, desenvolvido pelos pilotos de MotoGP e denominado "Track Evo", que se junta ao a "Estrada" e "Pista" já existentes.

Para melhorar a estabilidade, precisão e direcionalidade nas fases de frenagem e entrada em curva e permitir que o piloto defina com mais precisão a melhor configuração eletrônica do motor em cada circuito, a Panigale V4 R também adota o Controle de Freio Motor (EBC) EVO 2. Este freio motor eletrônico sistema de gerenciamento apresenta uma calibração diferente de engrenagem por engrenagem em cada um dos três níveis selecionáveis. A estratégia foi desenvolvida para otimizar a intensidade do freio motor em função da carga no eixo traseiro.

A Panigale V4 R adota uma nova estratégia para o Ducati Quick Shift (DQS) que melhora a fluidez das trocas em cada grau de abertura do acelerador, tanto quando este está parcial quanto quando está completamente aberto, lidando com as duas situações de uma maneira diferente.

Na troca parcial do acelerador, a estratégia atua tanto por meio de um corte de injeção da estratégia anterior quanto com uma redução antecipada, tornando a ação mais suave no uso da estrada graças à ausência de desligamentos e novos arranques do motor.

Nas trocas de aceleração totalmente abertas, típicas do uso em pista, a estratégia DQS é refinada com uma evolução da fase de restituição de torque que garante mais estabilidade à moto e uma condução mais homogênea e, portanto, mais lucrativa no tempo de volta.

Além dessas mudanças há também uma atualização da estratégia de controle do ventilador de refrigeração, agora capaz de oferecer um melhor gerenciamento das temperaturas de operação, além de reduzir o acúmulo de calor típico da conclusão das sessões de pista. Além disso, essa estratégia garante maior conforto térmico para o motociclista nas velocidades típicas de uso em estrada.


Para quem usa a Panigale V4 R apenas na pista, a empresa com sede em Bolonha desenvolveu o software específico Ducati Performance DTC EVO 3 projetado para slicks e pneus de chuva (vendido como acessório, e que torna a V4 R não homologada para circulação rodoviária aberto ao tráfego), que agora também permite ativar o funcionamento intermitente da luz de posição traseira, conforme exigido pelos regulamentos de corrida em caso de chuva, e substitui o modo de pilotagem de rua por um modo de chuva projetado especificamente para uso em superfícies molhadas.

Para melhorar a sensação do piloto ao abrir e gerenciar o acelerador, foi adotado um novo controle de aceleração 50% mais compacto e caracterizado por folgas radiais e axiais reduzidas ao mínimo, além de ser praticamente livre de marcha lenta inicial.

Por fim, como nas motos de corrida, existe um Pit Limiter para limitar a velocidade na saída e entrada do pit lane.

A Panigale V4 R continua com o layout baseado no “Front Frame” e braço oscilante de alumínio de um lado da família Ducati Panigale. É possível ajustar a altura do pivô traseiro do braço oscilante em 4 posições em passos de 2 mm.

Para aumentar a agilidade, sensação de pilotagem e aderência, o chassi da Panigale V4 R também segue a direção evolutiva traçada pela Panigale V4/V4 S com o modelo 2022, mantendo o ajuste da suspensão totalmente mecânico. Na frente, o garfo pressurizado Öhlins NPX25/30 aumenta seu curso em 5 mm em comparação com o "R" anterior. Esta solução técnica, combinada com um amortecedor Öhlins TTX36 cuja distância central vai de 312 a 316 mm e um ajuste padrão do pivô do braço oscilante para a posição +1, aumenta a altura traseira em 20 mm. Desta forma, é alcançado um centro de gravidade mais alto e, portanto, maior agilidade na entrada de curvas e nas mudanças de direção.

A adoção de uma mola menos rígida para o amortecedor (de 105 N/mm a 80 N/mm) e uma menor carga no solo na frente devido ao alongamento do curso do garfo, além de melhorar a capacidade de "copiar" o asfalto, acentua as transferências de carga, aproveitando o maior curso negativo da suspensão, aumentando a aderência e a sensação ao entrar em curvas. Ao mesmo tempo, o maior curso do garfo permite que a roda dianteira mantenha contato com o asfalto mesmo diante de transferências de carga acentuadas para a traseira durante a aceleração, enquanto a posição do pivô do braço oscilante acentua o efeito anti-squat melhorando a estabilidade, precisão e capacidade de manter a trajetória ao sair das curvas.

Finalmente, para acelerar e simplificar a calibração, o amortecedor traseiro é equipado com um ajustador hidráulico para pré-carga.

As superestruturas da moto superesportiva Ducati também foram atualizadas, com a adoção de um tanque de alumínio escovado com capacidade aumentada para 17 litros e um perfil que oferece melhor suporte para os braços e pernas do piloto nas frenagens e nas curvas. As mudanças no tanque somam-se à um banco mais plano, com menor quantidade de espuma e com uma cobertura diferenciada, que por um lado garante maior liberdade de movimentos longitudinais, e por outro ajuda o motociclista fica mais estável quando necessário.

Na Panigale V4 R o pacote aerodinâmico também foi revisado visando maior eficiência: as novas asas de dois elementos (principal + flap) garantem a mesma carga aerodinâmica, mas são mais compactas e mais finas (respectivamente em 40% e 50%).

Para melhorar a refrigeração do motor, estabilizando seu desempenho em uso extremo no circuito, a carenagem foi modificada no layout dos extratores na área inferior, e está em conformidade com os regulamentos do Campeonato Mundial de Superbike. Também na parte inferior, do lado esquerdo, há uma entrada de ar para resfriar o sensor da Ducati Quick Shift.

Para aumentar ainda mais a eficiência no uso em pista, a Ducati Performance oferece uma ampla gama de acessórios para completar e embelezar a Panigale V4 R. Começa com o sistema de escape completo em titânio Akrapovič com silenciador duplo sob o assento, que melhora a já reduzida relação peso / potência da V4 R graças à uma diminuição de peso de 5 kg em comparação com o sistema padrão e o aumento de potência até 237 cv. O escapamento é fornecido com mapeamento dedicado com o qual todos os parâmetros DTC, DWC, DPL e DSC são ajustados ao novo desempenho da moto.

Uma redução adicional é possível através da instalação dos aros de magnésio, que garantem uma economia de 0,7 kg (- 10%) em comparação com os aros de equipamento original forjados já leves, melhorando todos os aspectos de dinâmica e acima de tudo agilidade na entrada de curva e nas mudanças de direção.

Para melhor adaptar a posição de pilotagem, estão disponíveis pedaleiras de alumínio ajustáveis, desenvolvidas pela Ducati Corse em colaboração com a Rizoma. Eles são equipados com pedais de freio e câmbio articulados para minimizar o risco de quebra em caso de deslizamento e usam o DQS padrão, que pode ser configurado tanto como câmbio tradicional quanto como câmbio de marcha à ré/corrida.

O pacote de acessórios Pit Stop oferece aquecedores de pneus e suportes de garagem para permitir a abordagem de suas sessões de pista nas melhores condições. Aqueles que desejam usar pneus Slick ou Rain podem escolher o software DTC EVO 3, que apresenta as calibrações específicas dos controles eletrônicos.

Para embelezar ainda mais a Panigale V4 R também é possível adotar um ou mais componentes de fibra de carbono para as superestruturas, desde o para-lama traseiro até proteções para o quadro, braço oscilante, pinhão e cárter, chegando até a detalhes como os dutos para o resfriamento dos freios dianteiros, que melhoram o desempenho na pista e tornam a frenagem mais eficiente e consistente.

Logo Ducati

Uma visão geral completa dos acessórios está disponível na seção dedicada do site Ducati.com.


No Brasil o novo modelo estará à venda sob encomenda.

#PanigaleV4R #ThisIsRacing #Motocicleta #Ducati #Panigale


3 visualizações0 comentário