MENU

No Met Gala, o tapete vermelho foi interrompido pelo mundo real

O tema Gilded Age "Era Dourada" da festa se desenrolou quando os participantes levaram a opulência da época – e as desigualdades – a sério, enquanto as notícias da intenção da Suprema Corte de substituir Roe v. Wade mudaram drasticamente a conversa online em questão de minutos (um projeto de decisão vazado na imprensa americana mostrou que a maioria dos juízes da Suprema Corte votaria para derrubar Roe v. Wade na questão sobre direito ao aborto nos país).


O assunto era tudo sobre o vestido Marilyn Monroe de Kim Kardashian… até que não era.

Na noite de segunda-feira, o evento anual de arrecadação de fundos do Metropolitan Museum of Art para o Costume Institute atraiu uma série de estrelas, vestidas com esmero em criações personalizadas refletindo a opulência do tema da noite, “Gilded Glamour”, interpretado literalmente por aqueles que usam ouro. Mas não foi até Kardashian aparecer em um tubinho brilhante usado pela primeira vez por Monroe em 1962, quando ela cantou "Parabéns" para o presidente John F. Kennedy - vendido em leilão em 2016 por US $ 4,8 milhões - que o tapete vermelho brilhou mais.


Kim Kardashian chega ao Met Gala em um vestido famoso usado por Marilyn Monroe.
Kim Kardashian chega ao Met Gala em um vestido famoso usado por Marilyn Monroe.

Então, assim que Kardashian chegou, os eventos do mundo real se intrometeram na conversa da noite. O Politico informou que a Suprema Corte estava se preparando para derrubar Roe v. Wade, dividindo os feeds de mídia social entre o debate sobre o vazamento quase sem precedentes e a cobertura de gala, uma mistura inquietante.


Billie Eilish participa do Met Gala 2022 em um espartilho Gucci feito de materiais de "estoque morto".
Billie Eilish participa do Met Gala 2022 em um espartilho Gucci feito de materiais de "estoque morto".

A notícia também fez com que as sutis declarações políticas expressas no tapete vermelho parecessem quase estranhas. Hilary Clinton chegou usando um vestido Altuzarra bordeaux, ombro a ombro, projetado para homenagear costureiras, colchas e bordadeiras, bem como mulheres americanas como Harriet Tubman, Mary Oliver e Ruth Bader Ginsburg. O prefeito de Nova York, Eric Adams - que rapidamente se aproximou dos especialistas da moda depois de assumir o cargo em janeiro - usava um fraque decorativo ilustrado com pontos de referência da cidade de Nova York e a frase "fim da violência armada". Muitos convidados, incluindo a ativista climática Xiye Bastida em Chloé e Camila Cabello em Prabal Gurung, expressaram seu desejo de usar moda ambientalmente consciente, enquanto Billie Eilish usava um espartilho Gucci feito de materiais descartados em estoque.


Mas os procedimentos de preparação do evento já foram mais moderados do que a festa "da era da pandemia" no ano passado. A prévia da imprensa da manhã de “In America: An Anthology of Fashion” – que os convidados poderão ver antes do jantar – deu o tom.


A primeira-dama americana Jill Biden fez comentários durante a prévia antes de fazer um tour privado pela exposição, dizendo aos membros da imprensa que acredita na moda como uma forma de comunicação, particularmente em torno da lealdade dos EUA à Ucrânia em meio à “guerra de Putin”, observando como, no discurso do Estado da União em março, ela usava um vestido LaPointe azul profundo com um girassol, a flor nacional ucraniana, bordado na manga.


Embora a Era Dourada - a inspiração da noite - tenha sido uma era de tremenda prosperidade nos EUA, à medida que a industrialização transformou a economia, também viu o surgimento de sindicatos como trabalhadores de fábricas, agricultores e outros trabalhadores qualificados e não qualificados se unindo para exigir melhores ambientes de trabalho. e maior remuneração. O visual do ator e produtor Riz Ahmed, que incluía uma regata branca com nervuras e uma camiseta da grife 4SDesigns, do estilista salvadorenho-americano Angelo Urrutia, homenageava imigrantes da classe trabalhadora.'


No domingo, o sindicato Condé Nast – ainda não reconhecido pela empresa, que é dona da Vogue entre outras publicações – postou uma edição simulada da revista no Instagram com a capa “Met Gala 2022: Workers' Longest Night”, ressaltando a trabalho extra feito por funcionários e freelancers antes e durante o evento. (Anna Wintour, editora da revista e alta executiva da editora, também é a principal arrecadadora de fundos para o Met Gala.)


Embora o objetivo principal da gala ainda seja arrecadar dinheiro para o museu, nos últimos anos também se tornou uma oportunidade de construção de marca para a Vogue, pois procura diversificar seus fluxos de receita. Anunciantes como Patron, White Claw, Google, Polestar e T-Mobile cercaram a avalanche de conteúdo, começando com atores como Evan Mock divulgando atividades pré-festa para a Motorola.


Shalom Harlow participa do Met Gala 2022 em Ralph Lauren.
Shalom Harlow participa do Met Gala 2022 em Ralph Lauren.

Quanto às marcas que impressionaram no tapete vermelho, marcas como Louis Vuitton e Prada tiveram uma presença descomunal, com Ralph Lauren se destacando, da jaqueta Yankees de Swizz Beatz à coluna de tafetá preto de Shalom Harlow e faixa vermelho-batom.


Swizz Beatz e Alicia Keys participam do Met Gala 2022 em Ralph Lauren.
Swizz Beatz e Alicia Keys participam do Met Gala 2022 em Ralph Lauren.

Versace foi a grande vencedora da noite, graças ao vestido espelhado da co-presidente Blake Lively, feito em cobre e desenhado para pátina – assim como a Estátua da Liberdade – enquanto ela subia as escadas do Met. A marca italiana de propriedade da Capri foi responsável por 44% de todas as menções de designers nas mídias sociais, mais do que qualquer marca, de acordo com a Brandwatch, que rastreia conversas online. Jeremy Scott, Ralph Lauren, Moschino e Thom Browne seguiram.


Mas em uma noite sobrecarregada por notícias pesadas, as conversas em torno da gala como um todo caíram mais de 900.000 menções em 2019.

3 visualizações0 comentário