Um dos cafés mais caros do mundo é naturalmente refinado por elefantes


Embora o café especial precise de alguns cuidados, é um investimento que vale cada centavo, e aqui está o porquê.


Todo chef experiente sabe que trabalhar com ingredientes sazonais de qualidade é fundamental para a criação de qualquer prato e o café certamente não é diferente. No entanto, ao contrário da experiência de comprar um queijo gourmet delicadamente embrulhado ou abrir uma garrafa de vinho exclusiva, a arte de preparar uma xícara de café sensacional envolve uma série de etapas.


“Com o café, ele precisa vir da fazenda em boas condições, precisa ser torrado lindamente, precisa ser colocado em um saco e envelhecido, e então você tem o barista que precisa moer”, explica Matthew Lewin, Barista Champion e Consultor de Café com mais de 10 anos de experiência na indústria de cafés especiais.


Para Lewin, o segredo de uma cerveja incrível depende totalmente do negócio em que você decide confiar. “Certifique-se de que eles se importam com o produto, certifique-se de que é uma colheita fresca, certifique-se de que é delicioso e faça amizade com o barista para que eles possam gira-lo isso”, sugere ele.


Comparando um moedor à uma faca de chef, o especialista em café revela que “você não precisa da melhor máquina de café expresso, não precisa das melhores ferramentas associadas, mas precisa de um moedor incrível”. Além disso, Lewin destaca que quantidades, duração e temperatura são os determinantes do sucesso.


“Muitas vezes, esse café de 95 pontos terá a mais incrível clareza, doçura, textura, sabor, floralidade.” – Matthew Lewin

Enquanto o mercado hoje está inundado de cafés especiais, aqueles com paladares mais refinados podem provar a diferença entre um café que marcou 90 pontos em comparação com 85 pontos.


“Muitas vezes, esse café de 95 pontos terá a mais incrível clareza, doçura, textura, sabor, floralidade”, diz ele. “Vai aumentar o volume de tudo.”


Como muitas coisas na vida, o Google pode ser um bom ponto de referência ao explorar o mundo do café sofisticado, mas também vale a pena conversar com um barista local para ajudá-lo.


Talvez a maior ameaça à indústria sejam os impactos das mudanças climáticas e da pandemia de COVID-19, que fizeram os preços subirem até 40%.


“O Brasil é o maior produtor de café do mundo”, diz Lewin. “Eles tiveram geadas e secas e todos os tipos de impactos climáticos, o que diminuiu a produção”.


Aqueles que são capazes de fechar os olhos ao fato de que alguns cafés exclusivos foram processados ​​naturalmente por animais, descobrirão que o café de luxo não é apenas uma alegria para os sentidos – ele apoia comunidades remotas e melhora os padrões da indústria.


Black Ivory, US$ 2.500 por quilo


Café Black Ivory

Produzido em uma província remota no norte da Tailândia, o Black Ivory Coffee envolve maquinário mínimo, contando com a digestão natural dos elefantes.


Apenas as melhores cerejas arábicas de alta altitude são selecionadas e a maioria é irrecuperável durante o processo. Cerca de 33 quilos de cerejas cruas resultam em um quilo do produto acabado, que é cuidado por cuidadores de elefantes e estudantes pagos do ensino médio, uma vez que as cerejas foram comidas e digeridas pelos elefantes. A oferta da Black Ivory se resume a dois fatores: o apetite e a disponibilidade de cerejas de café.



Vendido principalmente para hotéis cinco estrelas e restaurantes Michelin, beber uma xícara desta bebida rara é uma chance de apoiar o bem-estar das comunidades rurais enquanto desfruta de notas de chocolate e especiarias sem um toque de amargura. No entanto, o sabor é determinado pelas enzimas digestivas dos elefantes.


O café mais raro e caro do mundo, refinado por elefantes - Black Ivory Coffee
O café mais raro e caro do mundo, refinado por elefantes - Black Ivory Coffee


Kopi Luwak, US$ 1.300 por quilo


Café Kopi Luwak

Se você ainda não experimentou este café, é importante estar ciente de que Kopi Luwak, ou café de civeta de origem selvagem e cultivado tem diferentes etiquetas de preço anexadas, bem como implicações éticas. Para maximizar o lucro, o Kopi Luwak cultivado exige que as civetas – os animais por trás da infusão – sejam alimentadas à força com as cerejas de café em gaiolas.


Embora os apreciadores de café tenham opiniões divergentes em relação ao sabor, acredita-se que o processo enzimático pelos quais os grãos passam ao passar pelo trato digestivo da civeta contribui para seu sabor suave e aroma complexo. Este gato tropical também tem um talento especial para escolher apenas as melhores cerejas para mastigar, o que implica uma bebida de melhor qualidade. Kopi Luwak é produzido principalmente na Indonésia nas ilhas de Java, Bali e Sumatra.


Civettictis civeta

Seu nome científico é Civettictis civeta – um Viverrídeo.

Paradoxurus hermaphroditus, também chamado de musang ou civeta de palmeira asiática, é um pequeno membro da família Viverridae nativo do Sul e do Sudeste da Ásia


Finca El Injerto, US$ 1.100 por quilo


Café Finca El Injerto

Como a primeira fazenda de café na Guatemala a ser certificada como neutra em carbono juntamente com a Rainforest Alliance Certification, El Injerto (em homenagem a uma fruta nativa) é administrado pela família Aguirre, que se dedica a práticas agrícolas benéficas e responsabilidade social.


Com seu solo não vulcânico rico em minerais e alta altitude, os cafés oriundos de El Injerto expressam claramente o terroir e não devem ser confundidos com torrefadores que rotulam seus cafés com 'Finca El Injerto', mas que não foram cultivados nesta região.



Ospina, US$ 790 por 250 gramas


café Ospina

Cultivado ao longo de cinco gerações, o café Ospina é produzido a partir de grãos Arábica Typica, cultivados nas florestas tropicais dos Andes em condições de sombra. Essas encostas são ricas em cinzas vulcânicas, que fertilizam o solo e realçam o sabor quente e a noz deste café colombiano. A maneira de apreciá-lo é moer o feijão inteiro e prepará-lo em água pura na temperatura certa (entre 91 e 96 graus celsius).




Saint Helena, US$ 494 por quilo


Café ilha de Santa Helena - St Helena

A remota ilha de Santa Helena, no Oceano Atlântico Sul, é um dos ambientes mais puros da Terra e é onde Napoleão foi exilado. É neste local que o Arábica Bourbon Green Tipped é colhido, processado e torrado para destacar suas qualidades distintas que são celebradas pelos aficionados do café. Processado por via úmida com água de nascente local, o café Santa Helena tem notas de cereja preta e chocolate que sugerem suas origens iemenitas. Em 2016, a Starbucks lançou esse café altamente cobiçado, vendido por US$ 80 por 250 gramas.


“É uma xícara delicada com aromas florais sutis que levam a frutas cítricas suaves e notas de caramelo”, explica Leslie Wolford, especialista em qualidade de café da Starbucks.


Hacienda La Esmeralda, US$ 440 por quilo


Café Hacienda La Esmeralda

Vendida por US$ 440 o quilo em vários leilões no ano passado, a Hacienda La Esmeralda é uma empresa familiar que produz cafés especiais premiados nas terras altas do sudoeste do Panamá. Desde 2007, os Petersons vendem café de alta qualidade a preços recordes por meio de leilões online privados anuais.


Quando os provadores experimentaram pela primeira vez o café Geisha de alta altitude da empresa, ficou claro que os Petersons haviam embarcado no caminho certo que os levou a vencer o concurso Best of Panama de 2004 e se estabelecer como líder mundial na produção de café, ganhando esse prêmio e muitos outros mais vezes desde então.


Molokai, US$ 97 por quilo


café Molokai

O café Molokai genuíno é cultivado principalmente na ilha de Molokai, no condado de Maui, no Havaí. A Coffees of Hawaii é a empresa responsável pelo atendimento da demanda global por Molokai, o que explica seu preço exuberante. Quando rotulados como “Molokai Prime”, os bebedores de café têm garantia de alta qualidade. O Catuai Tinto é a variedade arábica altamente valorizada que prospera nos solos vermelhos encontrados neste local e que resulta em ricas notas de degustação.


Fazenda Santa Inês, US$ 46 por quilo


Café Fazenda Santa Inês

Cultivado no sopé da serra da Mantiqueira, no sul de Minas, a Fazenda Santa Inês é um café doce e brilhante com notas cítricas e baixa acidez.


Desde 1979, a família Pereira atua no ramo de cultivo de café e bate recordes mundiais com a ajuda de uma força de trabalho dedicada de 135 famílias. Em 2005, a Fazenda Santa Inês alcançou a pontuação de 95,85 no Cup of Excellence Brazil graças às condições favoráveis do Sul de Minas e ao processamento meticuloso para garantir a qualidade.



#SaintHelena #coffeeSaintHelena #Ospina #KopiLuwak #fazendaSantaInês #caféfazendasantainês #Molokai #FincaElInjerto

#blackivorycoffee #coffee #cafégourmet #luxury #lifestyle #coffeetime


0 visualização0 comentário

© 2022 by ​Evelyn

Evelyn Digital
  • TikTok
  • Preto Ícone LinkedIn
  • Amazon
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram

contato@evelyn.digital

tel. 16-99975-1705